Centro Hospitalar

    bigstock-Toll-free-54203771-300x300


    O encerramento e a concentração de serviços e valências em nome de uma alegada rentabilização de meios que era anunciada para melhorar o serviço prestado, veio a revelar-se, como repetidamente foi denunciado pelo PCP, pelas comissões de utentes, pelos órgãos autárquicos e pelos trabalhadores da saúde, um verdadeiro desastre, com prejuízos económicos e sofrimentos para os utentes e suas famílias.
    A concentração da urgência no Hospital de Abrantes revelou-se catastrófica e teve ainda como consequência direta a diminuição da qualidade dos outros serviços prestados naquele hospital. O encerramento das urgências e dos serviços de medicina interna nos Hospitais de Torres Novas e Tomar, concentrando-as no Hospital de Abrantes são, pelas suas dramáticas consequências, um exemplo gritante do caráter negativo da reestruturação que teve lugar.
    Para além de outras medidas que visem melhorar o serviço prestado, de modo a garantir o direito fundamental à saúde por parte das populações, designadamente melhorando as condições de trabalho dos profissionais e promovendo uma efetiva rentabilização de meios e uma correta articulação com os cuidados de saúde primários/Centros de Saúde e os cuidados continuados, torna-se indispensável que, no Centro Hospitalar do Médio Tejo seja assegurada a existência de serviços de urgência médico-cirúrgica, de medicina interna e de pediatria em todas as unidades que o integram (Torres Novas, Tomar e Abrantes).
    Pelo exposto, nos termos regimentais e constitucionais aplicáveis, os Deputados abaixo assinados do Grupo Parlamentar do PCP propõem que a Assembleia da República adote a seguinte resolução:

    Resolução
    A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição da República, recomendar ao Governo:
    1. A garantia da existência de serviços de urgência médico-cirúrgica, de medicina interna e de pediatria em todos os hospitais que integram o Centro Hospitalar do Médio Tejo (Torres Novas, Tomar e Abrantes).
    2. A adoção de medidas de contratação e reforço do quadro de pessoal, como condição essencial para a garantia de um serviço de qualidade no Centro Hospitalar do Médio Tejo. Assembleia da República, 4 de fevereiro de 2016
    Os Deputados,
    ANTÓNIO FILIPE; CARLA CRUZ; JOÃO RAMOS; PAULA SANTOS; JOÃO OLIVEIRA; MIGUEL TIAGO; JORGE MACHADO; BRUNO DIAS; ANA MESQUITA; PAULO SÁ; DIANA FERREIRA; RITA RATO; ANA VIRGÍNIA PEREIRA

     

    Autor: 

    Fonte: 

    Data: 2016-02-04